A Antas da Cunha ECIJA assistiu juridicamente o Grupo JOYN no processo de compra de um edifício em Carnaxide, por 4,5 milhões de euros. O imóvel, que passará a designar-se “Edifício Joyn HQ”, será a nova sede do grupo em Portugal e estará também disponível para acolher outras empresas (numa lógica de serviços partilhados) em regime de arrendamento.

Segundo o comunicado da firma, “o objetivo é criar um ambiente heterogéneo, com players de diferentes áreas, que comunguem do mesmo mind-set.” A operação foi coordenada pelos sócios Joana Cunha d’Almeida e Henrique Moser.

 “O trabalho desenvolvido pelo nosso Departamento Fiscal e pelo nosso Departamento de Direito Imobiliário e Urbanismo envolveu o , a c uma due diligence legal e apoio ao nível do planeamento fiscal”. E acrescenta: “Esta operação é a prova de que existem empresas e grupos empresariais que, apesar das limitações impostas aos mais diversos níveis pelo atual contexto da pandemia do novo coronavírus, não baixam os braços e estão a reagir, acreditando que uma retoma estará para breve”, referiu Joana Cunha d’Almeida, sócia responsável pelo Departamento Fiscal da Antas da Cunha ECIJA.

“Apesar da crise sanitária que vivemos atualmente, o ‘apetite’ dos investidores, nomeadamente internacionais, pelo mercado imobiliário português, mantém-se elevado. O país não perdeu nenhum dos seus fatores de atração e diferenciação, nem sairá descredibilizado deste contexto. Nesse sentido, estou convencido que o desenvolvimento e a conclusão das operações irá continuar a decorrer dentro da normalidade possível, contudo, a um ritmo mais lento”, frisou Henrique Moser, sócio Responsável pelo Departamento de Direito Imobiliário e Urbanismo da Antas da Cunha ECIJA.

Apesar da situação de confinamento, os sócios são unânimes em afirmar que o sucesso desta transação “deveu-se sobretudo ao enorme profissionalismo de todos os intervenientes, sem exceção, que foram inexcedíveis no cumprimento das respetivas funções”. “O espírito de entreajuda e a determinação em concluir a transação sobrepuseram-se à situação em que vivemos”, sublinharam.

Com uma área de 5.300 m2, o edifício, que está equipado com tecnologias “de ponta” de forma a simplificar todo o processo de instalação das empresas, conjuga dois pisos de escritórios (numa área total de cerca de 3.200 m2) e um piso de área de armazém.

Subscreva a newsletter e receba os principais destaques sobre Direito e Advocacia.