A Antas da Cunha ECIJA, sociedade de advogados que presta serviços integrados com foco no direito digital, acaba de expandir a sua operação ao Porto e Ana Bastos, of counsel da sociedade, é quem coordena o novo escritório. A advogada, que já passou pela Deloitte onde exerceu consultoria fiscal, explicou-nos que a presença da Antas da Cunha ECIJA no Porto tem como objetivo apoiar a atividade dos seus clientes no norte do país e faz parte da estratégia de crescimento da firma.

O que motivou a abertura do escritório no Porto?

O Porto é cada vez mais um cluster tecnológico, atraindo talento altamente qualificado e muitos grupos empresariais nacionais e internacionais, sobretudo na área das tecnologias da informação. Neste contexto, e também porque já contamos com vários clientes com presença no norte do país, e sendo a Antas da Cunha ECIJA um escritório full-service a nível internacional, a presença no Porto não só faz todo o sentido, como também faz parte da nossa estratégia de crescimento.

Quantos clientes a Antas da Cunha ECIJA tem no Porto e na região Norte do país? Podem identificar alguns projetos?

Atualmente contamos com mais de uma dezena de clientes a Norte, com necessidades muito concretas ao nível de direito digital. Podemos identificar clientes como o Impacting Group, agência de marketing digital e tecnológica com sede na UPTEC.  Por outro lado, prestamos também apoio nestas e noutras temáticas a clientes ligados ao setor do retalho e grande distribuição.

“Pretendemos ser uma alternativa aos clientes do norte do país, e, seguramente, que se trata de uma aposta no longo prazo”

Como está a Antas da Cunha ECIJA a adaptar-se aos novos tipos de clientes, dado o contexto crescente do número de empresas tecnológicas a instalar-se em Portugal?

A nossa preocupação reside na construção daquilo que se apelida de “legal design”. Na verdade, temos uma preocupação no sentido de investirmos em ferramentas que permitam ir ao encontro da necessidade dos nossos clientes, em particular, através de modelos alternativos na prestação dos nossos serviços, incorporando softwares que completem a nossa assessoria e através do estabelecimento de uma parceria através da proximidade, ou seja, cada vez mais termos advogados a trabalhar no dia-a-dia, enquadrados em equipas multidisciplinares.

O escritório do Porto terá serviços de todas as áreas de especialidade da sociedade?

Sim, a ideia é essa. À medida que viermos a registar um aumento da nossa atividade, reforçaremos as equipas em todas as áreas do escritório.

Quais os objetivos de médio-prazo da Antas da Cunha ECIJA para o seu escritório no Porto?

Não temos pressa, nem temos um objetivo concreto em termos de receitas ou número de advogados no curto prazo. Pretendemos ser uma alternativa aos clientes do norte do país e, seguramente, que se trata de uma aposta no longo prazo. Achamos que a operação tem um enorme potencial para ganhar alguma dimensão.

Subscreva a newsletter e receba os principais destaques sobre Direito e Advocacia.